Príncipe Harry expõe brigas na família real, uso de drogas, mortes como militar e mais em nova biografia

O príncipe Harry acusou seu irmão de atacá-lo fisicamente em seu novo livro de memórias, que revela uma ampla gama de conversas privadas entre ele e outros membros da realeza britânica e detalha sua separação da família, de acordo com meios de comunicação que disseram ter obtido cópias antecipadas de o livro.

Segundo a imprensa, o duque de Sussex expõe em seu livro “Spare” uma briga com o príncipe William durante uma discussão sobre sua esposa, Meghan, duquesa de Sussex em 2019, relatada pela primeira vez pelo The Guardian. Outras bombas que já estão sendo debatidas antes mesmo do lançamento incluem a divulgação do número de combatentes do Talibã que ele matou enquanto servia no Afeganistão, seus momentos finais com a falecida rainha Elizabeth II, usando drogas quando adolescente e falando com uma mulher com “poderes” sobre sua falecida mãe, Diana, Princesa de Gales.

Harry diz que William o empurrou para o chão

O Guardian afirma ter visto uma cópia antecipada das tão esperadas memórias de Harry, “Spare”, nas quais o duque supostamente alega que William, o Príncipe de Gales, o derrubou no chão durante a briga.

A suposta briga aconteceu após uma conversa entre os dois irmãos, durante a qual William, o herdeiro do trono britânico, chamou Meghan de “difícil”, “rude” e “abrasiva”, segundo o The Guardian.

O confronto aumentou até que William “me agarrou pelo colarinho, rasgou meu colar e … me jogou no chão”, relatou o jornal.

O artigo enfoca a alegada altercação física entre os irmãos, mas descreve a totalidade do livro como um “volume notável”.

A história relata a versão dos eventos de Harry, na qual William chega à então casa de Harry e Meghan, Nottingham Cottage, no terreno do Palácio de Kensington, em Londres, para supostamente discutir “’toda a catástrofe contínua’ de seu relacionamento e lutas com a imprensa”.

Harry alega que William o atacou depois que ele deu água a seu irmão mais velho e tentou esfriar a troca verbal acalorada, de acordo com o The Guardian.

O artigo cita Harry: “Ele abaixou a água, me chamou de outro nome e depois veio até mim. Tudo aconteceu tão rápido. Muito rápido. Ele me agarrou pelo colarinho, rasgou meu colar e me jogou no chão. Caí na tigela do cachorro, que rachou nas minhas costas, os pedaços me cortando. Fiquei ali por um momento, atordoado, depois me levantei e disse a ele para sair.

O artigo diz que Harry afirma no livro que William o incentivou a revidar, mas ele se recusou a fazê-lo. William saiu, mas depois voltou “parecendo arrependido” e se desculpou, de acordo com o artigo do Guardian, citando o livro.

Harry relembra o apelo de Charles

Em outra parte da matéria do Guardian, Harry se lembra de ter retornado ao Reino Unido pela primeira vez desde que deixou o cargo de membro sênior da realeza em abril de 2021 para o funeral do marido da rainha, o príncipe Philip.

A ocasião sombria foi a primeira vez que o duque se reuniu com seu pai, agora rei Charles III, e William desde que ele e Meghan conversaram com Oprah Winfrey para sua entrevista bombástica.

A recontagem de Harry sugere que as tensões com William permaneceram altas e cita Charles implorando a seus filhos “não tornar meus últimos anos uma miséria”.

O artigo também revelou que os irmãos se referem como “Willy” e “Harold”, respectivamente.

Preocupação com Camila

De acordo com relatórios adicionais do Mail Online e do The Sun, outra parte do livro relata como Harry supostamente “implorou” a seu pai para não se casar com Camilla, que agora é a Rainha Consorte, e temia que ela fosse uma “madrastra perversa”.

Harry lembrou que ele e William disseram que receberiam Camilla na família, mas pediram ao pai que não se casasse com ela, chamando Camilla de “outra mulher”.

Citando a cópia do livro, o Mail Online relatou que Harry escreve: “Lembro-me de me perguntar… se ela seria cruel comigo; se ela fosse como todas as madrastas malvadas das histórias”, acrescentando: “Willy suspeitava da Outra Mulher há muito tempo, o que o confundia e atormentava; Quando essas suspeitas se confirmaram, ele sentiu um remorso agonizante por não ter feito ou dito nada antes.”

Ele também compara conhecê-la pela primeira vez a tomar uma injeção, escrevendo no livro: “feche os olhos e você nem sentirá”.

O livro também afirma que o rei Charles tentou “conquistar as crianças” antes de pedir ao público britânico que aceitasse seu casamento com Camilla e que ela teve uma audiência privada com Harry na qual parecia “entediada”.

O príncipe Harry também escreve que era muito jovem para suspeitar do caso de seu pai, mas observa que seu irmão “guardou suspeitas” por muito tempo. “Isso o confundiria e o atormentaria… Quando eles foram confirmados, ele sentiu um remorso terrível por não ter dito ou feito nada antes”, diz o príncipe Harry, de acordo com o The Sun. O real acrescenta no livro que em criança sentia “a falta de estabilidade, a ausência de amor e carinho na nossa casa”.

As histórias relatadas pelo Mail Online e The Sun são baseadas nas próprias traduções dos tablóides da versão em espanhol do livro.

Mortes no Afeganistão

O jornal britânico The Telegraph relata que o príncipe Harry afirma ter matado 25 pessoas enquanto servia no exército britânico no Afeganistão, dizendo que no calor do combate ele via seus alvos como “peças de xadrez” em vez de pessoas.

O Telegraph também disse que obteve uma cópia da versão em espanhol do livro antes de seu lançamento oficial.

O príncipe completou duas viagens ao Afeganistão, uma de 2007 a 2008 e outra de 2012 a 2013.

Os avanços da tecnologia “na era dos apaches e laptops” permitiram a Harry dizer “com exatidão quantos combatentes inimigos eu havia matado”, acrescentando que “me parecia essencial não ter medo desse número”.

“Portanto, o meu número é 25. Não é um número que me dê satisfação, mas também não me envergonha”, diz, segundo o Telegraph.

Harry também diz que costumava assistir a filmagem de cada “morte” depois de retornar à base, da câmera montada no nariz de seu helicóptero Apache, informou o Telegraph, e que no “barulho e confusão do combate” ele via aqueles que matou como os “bandidos eliminados antes que pudessem matar os bonzinhos”.

Dizer adeus à Rainha

As memórias mostram o duque revelando suas palavras finais à rainha horas depois que ela morreu em 8 de setembro do ano passado. Ele “esperava que ela estivesse feliz e com o avô agora”, de acordo com o Mail Online.

O Mail Online diz que Harry descreve como soube da morte de sua avó depois de verificar o site da BBC News.

De acordo com o trecho, Harry conta que ao chegar em Balmoral, residência escocesa da família real, foi recebido pela princesa Anne que o levou escada acima até onde a rainha estava deitada.

“Avancei com incerteza e a vi”, escreve ele no livro, segundo o Mail Online. “Fiquei imóvel, observando-a atentamente por um bom tempo.

“Eu sussurrei que esperava que ela estivesse feliz e que ela estivesse com o avô agora. Disse que a admirava por ter cumprido suas funções até o fim. O Jubileu [de platina], as boas-vindas ao novo primeiro-ministro.”

Uso de drogas na adolescência e perda da virgindade

Harry, que agora mora na Califórnia com Meghan e seus dois filhos, também admite ter usado cocaína aos 17 anos, de acordo com a Sky News.

De acordo com a mídia do Reino Unido, que agora também afirma ter obtido uma cópia vazada, Harry escreve: “Claro que eu estava usando cocaína naquela época. Na casa de alguém, durante um fim de semana de caça, me ofereceram uma linha e, desde então, consumi um pouco mais”, relatou a Sky News.

“Não foi muito divertido e não me fez sentir especialmente feliz como parecia acontecer com os outros, mas fez-me sentir diferente, e esse era o meu principal objetivo. Sentir. Para ser diferente ”, acrescenta o príncipe Harry, de acordo com a Sky. “Eu era um jovem de dezessete anos disposto a experimentar quase tudo que alterasse a ordem pré-estabelecida… Pelo menos, era disso que eu estava tentando me convencer.”

O príncipe Harry já havia admitido o uso de drogas em sua juventude. Em 2002, quando era um estudante de 16 anos, ele enfrentou acusações de consumo de álcool e maconha por menores de idade, informou a CNN anteriormente. Uma confissão de beber muito e usar maconha quando ele tinha 16 anos levou seu pai a mandá-lo para o centro de reabilitação de drogas, Phoenix House UK, por um dia.

Em outra parte da autobiografia, Harry descreve a perda da virgindade no que ele chama de “um episódio humilhante”.

A mídia britânica cita Harry dizendo que o encontro foi com “uma senhora mais velha” que amava cavalos.

Embora ele não revele a identidade da mulher, a Sky News relata que ele acrescenta: “Um dos meus erros foi deixar isso acontecer em um campo, logo atrás de um pub movimentado”.

“Sem dúvida, alguém nos viu”, continua Harry, de acordo com Sky.

Diana falou através de mulher com ‘poderes’

Harry também revela em suas memórias que tentou entrar em contato com sua falecida mãe por meio de uma mulher que afirmava ter “poderes”, de acordo com a cópia antecipada de seu livro vista pelo The Guardian.

Em artigo publicado quinta-feira, o jornal britânico relata uma passagem em que Harry diz que a mulher lhe ofereceu uma mensagem de Diana.

“Você está vivendo a vida que ela não poderia … Você está vivendo a vida que ela queria para você”, disse a mulher a Harry em uma mensagem que disse ser de Diana, segundo o The Guardian.

Diana morreu em 1997, quando Harry tinha 12 anos.

Harry não se refere à mulher que entregou a mensagem como “médium” ou “psíquica”, de acordo com o Guardian, mas reconheceu a “alta chance de fraude”.

No livro, Harry descreve como se sentiu emocionado quando a mulher lhe disse “Sua mãe está com você”, de acordo com o The Guardian.

O artigo diz: “A mulher disse a Harry que sua mãe sabia que ele estava ‘procurando clareza’ e ‘sente sua confusão’, e sabia que ele tinha ‘tantas perguntas’, e disse que as respostas viriam com o tempo”.

“Em la sombra” é o título na Espanha

Problemas com a Realeza…

Espera-se que o príncipe Harry revele ainda mais detalhes sobre sua desavença com a família real depois de se sentar para várias entrevistas na televisão que serão transmitidas nos próximos dias.

Provocando um cara-a-cara com a realeza que deve ir ao ar na íntegra na segunda-feira, o co-apresentador do Good Morning America, Michael Strahan, revelou que Harry descreve William no livro como seu “arqui-inimigo”.

Em um trecho da próxima entrevista, Strahan pergunta: “Há uma citação neste livro em que você se refere a seu irmão como seu ‘amado irmão e arqui-inimigo’. Palavras fortes. O que você quer dizer com isso?”

Harry pode ser visto concordando antes de responder: “Sempre houve essa competição entre nós, estranhamente. Eu acho que realmente joga ou sempre joga pelo herdeiro/sobressalente.”

Strahan disse mais tarde a seus co-apresentadores do “Good Morning America” que leu o livro inteiro do príncipe Harry, acrescentando que os leitores ficarão “surpresos com o quão aberto ele é” e que “irá deixar o queixo caído”.

Separadamente, o duque também conduziu entrevistas com Anderson Cooper para o programa “60 Minutes” da CBS e Tom Bradby da rede britânica ITV, ambas as quais serão transmitidas no domingo.

As redes lançaram trechos das entrevistas ao longo da semana, com a última prévia da CBS revelando que Harry “não tinha ideia” de que a mídia do Reino Unido era “tão fanática” e que ele era “incrivelmente ingênuo” sobre como a imprensa britânica trataria Meghan. Ele também deve aparecer no “The Late Show with Stephen Colbert” na noite de terça-feira.

“O que Meghan teve que passar foi semelhante em parte ao que [a princesa] Kate e o que a [rainha consorte] Camilla passaram – circunstâncias muito diferentes”, disse Harry a Anderson Cooper.

“Mas então você adiciona o elemento de corrida, que foi o que a imprensa, a imprensa britânica saltou imediatamente. Eu fui incrivelmente ingênuo.”

Harry acrescenta que ele era “provavelmente fanático antes do relacionamento com Meghan”.

No último clipe de pré-visualização da reunião da ITV divulgado na quinta-feira, Harry diz que “ainda acredita na monarquia”, mas quando perguntado se antecipa desempenhar um papel no futuro, ele responde: “Não sei. ”

Harry também não quis saber se sua família retornará ao Reino Unido em maio para a coroação de seu pai.

“Muita coisa pode acontecer entre agora e depois”, diz Harry no pequeno clipe. “Mas, a porta está sempre aberta. A bola está na quadra deles. Há muito a ser discutido e eu realmente espero que eles estejam dispostos a sentar e conversar sobre isso.”

Em outra parte do clipe promocional de um minuto, Harry novamente sugere que o Palácio de Buckingham plantou relatórios negativos da mídia.

Respondendo à sugestão de Bradby de algumas pessoas acusá-lo de invadir a privacidade da família sem permissão, Harry diz: “Essa seria a acusação das pessoas que não entendem ou não querem acreditar que minha família está informando a imprensa.

“Não sei como ficar em silêncio vai melhorar as coisas”, diz o príncipe Harry.

Desde o casamento em 2018, o relacionamento de Harry e Meghan está sob intenso escrutínio da mídia, com foco particular na Duquesa de Sussex.

Em um recente documentário da Netflix, Harry culpou a mídia por colocar estresse indevido em Meghan, levando-a a ter um aborto espontâneo e pensamentos suicidas.

O casal disse que a cobertura implacável da mídia acabou levando-os a deixar de trabalhar como membros da família real.

Harry admitiu no documentário de seis partes que não lidou com a deterioração da saúde mental de Meghan “particularmente bem” no início.

“Eu sabia que ela estava lutando; nós dois estávamos lutando, mas nunca pensei que chegaríamos a esse estágio. O fato de ter chegado a esse estágio me deixou com raiva e vergonha”, contou Harry, acrescentando: “Lidei com isso como Harry institucional em oposição ao marido Harry”.

Meghan disse que queria ir a algum lugar para pedir ajuda, mas alegou que não tinha permissão para isso por causa de preocupações sobre como isso pareceria para a instituição, sem especificar quem ela acredita que a impediu. Ela fez comentários semelhantes em sua explosiva entrevista de 2021 com Oprah Winfrey.

Com informações CNN e BBC

Add a comment

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *