“Preciso lutar por uma fração do que os diretores masculinos recebem”, afirma Sofia Coppola

Em uma entrevista franca, a aclamada cineasta Sofia Coppola levantou sua voz contra a gritante disparidade salarial de gênero na indústria cinematográfica. A diretora vencedora do Oscar, conhecida por sua narrativa distinta e visuais evocativos, expressou sua frustração com a diferença de remuneração entre diretores homens e mulheres.

Coppola, cuja filmografia inclui obras-primas como “Encontros e Desencontros”, “As Virgens Suicidas”, “Maria Antonieta” e mais recentemente “Priscilla“, falou abertamente sobre suas experiências. “É desanimador”, disse ela, “Não estamos pedindo tratamento especial. Estamos pedindo justiça.”

Coppola é conhecida por colocar as mulheres no centro de seus filmes. Em 2022, um estudo descobriu que 33% dos filmes apresentavam apenas protagonistas femininas e outro concluiu que as mulheres representavam apenas 18% dos realizadores que trabalharam nos 250 melhores filmes durante o mesmo ano.

Coppola faz parte de um movimento crescente em Hollywood—uma revolução impulsionada por profissionais de primeira linha que não estão mais dispostas a ficar caladas. Patricia Arquette, em seu poderoso discurso de aceitação do Oscar, defendeu a igualdade salarial para mulheres em todos os lugares. Jennifer Lawrence também causou polêmica ao escrever um ensaio expondo a disparidade salarial no set de “Trapaça”. Reese Witherspoon, no American Cinematheque Awards, declarou com ousadia que as mulheres deveriam ocupar 50% dos papéis na tela, refletindo a realidade de nossa população.

“É muito importante para mim poder mostrar uma perspectiva feminina. Estou feliz que haja cada vez mais diretoras mulheres, mas ainda é uma porcentagem tão pequena”, ela me diz.

“Quando comecei a trabalhar nisso [no filme Priscilla), eles estavam falando sobre como Baz estava fazendo o dele: ‘Tem certeza que quer fazer isso porque já existe um filme de Elvis?’ E eu pensei: ‘Melhor ainda, é tão interessante que a cultura vai se concentrar nele e, um ano depois, ver o mesmo tipo de história, mas do ponto de vista dela… ter esse contrapeso. ‘”

Mas Coppola teve que ser criativo para produzir sua luxuosa peça de época com um orçamento relativamente baixo para os padrões de Hollywood (menos de US$ 20 milhões).

“Vejo todos esses homens recebendo centenas de milhões de dólares e estou lutando por uma pequena fração disso”, diz ela.

“Acho que é apenas um resquício da cultura desse negócio. É frustrante, mas estou sempre lutando para conseguir isso e estou muito feliz por poder fazer meus filmes de forma independente e encontrar pessoas que acreditam neles.”

Os dados não mentem. Filmes dirigidos por mulheres tendem a ter mais elenco e equipe feminina do que aqueles dirigidos por homens. Em média, os filmes dirigidos por mulheres contam com 39% de representação feminina (excluindo a própria diretora), enquanto os filmes dirigidos por homens ficam atrás com 28%.

Felizmente a determinação de Coppola permanece inabalável, a diretora já declarou “Continuarei lutando”, declara ela. “Não apenas por mim, mas pela próxima geração de cineastas mulheres. Merecemos nossa parcela justa.”

Em um mundo onde a criatividade não conhece gênero, a batalha de Sofia Coppola ecoa muito além da tela prateada. Ela ressoa como um grito de mobilização por mudança independentemente do gênero.

Add a comment

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *