Morre Alan Grant, roteirista de Batman e Juiz Dredd

Icônico quadrinista fez parte da Invasão Britânica dos quadrinhos americanos

Faleceu, aos 73 anos de idade Alan Grant, roteirista escocês conhecido por seu trabalho em várias histórias em quadrinhos. Sua esposa Susan anunciou sua morte no Facebook na manhã de hoje (21). A causa da morte não foi divulgada.

Grant, que nasceu em 1949, começou seu trabalho nos quadrinhos em 1967, quando se tornou editor da DC Thomson. Saiu em 1970 para trabalhar para IPC em romances, mas se tornaria mais conhecido por seu trabalho com o personagem do Juiz Dredd nas páginas da 2000 dC. 

Grant fez parte da chamada Invasão Britânica dos quadrinhos americanos na década de 1980 que trouxe consigo criadores como Alan Moore, Neil Gaiman, Garth Ennis, Dave Gibbons e Grant Morrison. Ele fez sua estreia na DC Comics em 1987 com a minissérie distópica Outcasts , que – apesar de não ter sido bem sucedida – levou à sua famosa corrida na Detective Comics , que começou no ano seguinte.

Com o artista Norm Breyfogle , seu frequente colaborador do Batman, Grant criou personagens como Anarquia e o Ventríloquo. A longa turnê de Grant em Gotham City também incluiu uma série de 24 edições de Batman, uma série de crossovers Batman/Judge Dredd e 82 edições impressionantes de Batman: Shadow of the Bat, nas quais ele e Breyfogle apresentaram os vilões Victor Zsasz, Amygala e Jeremias Arkham. Ele também voltou a trabalhar com Breyfogle no final dos anos 1990 com minisséries com Anarquia.

Na DC, Grant se associou ao anti-herói favorito dos fãs, o Lobo, criado por Keith Giffen e Roger Slifer. Grant apresentou o caçador de recompensas intergaláctico em Legion, um spin-off da Legião dos Super-Heróis, e colaborou com Giffen e o artista Simon Bisley na primeira minissérie de Lobo. Isso foi seguido por várias minisséries e especiais – 64 edições no total – todas escritas ou coescritas por ele.

Grant recebeu um Inkpot Award, concedido pela Comic Con International em San Diego para celebrar sua notável carreira em quadrinhos e cultura pop, em 1992.

Descanse em paz, mestre.

Add a comment

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *