Microsoft altera gerador de imagens de IA após pôsteres falsos Disney

A Microsoft fez novos ajustes na sua ferramenta geradora de imagens de inteligência artificial (IA), o Bing Image Creator, seguindo uma tendência viral nas redes sociais que levantou preocupações sobre violação de direitos autorais, principalmente por parte da Disney Pixar após usuários criarem todos os tipos de pôsteres com o visual Disney.

Os influenciadores das redes sociais, incluindo contas populares no TikTok e no Instagram, descobriram um uso criativo para a ferramenta de IA da Microsoft. Ao inserir termos como “um pôster de filme inspirado na Disney Pixar”, os usuários poderiam gerar imagens que imitassem o estilo icônico da Disney. Esses pôsteres gerados por IA foram de inocentes animais de estimação para assuntos complexos e por vezes polêmicos, como humor negro.

O problema ficou ‘mais grave’ com o logotipo inconfundível da Disney nessas ilustrações geradas por IA. O logotipo da gigante da mídia estava claramente visível, levantando questões sobre direitos autorais e violação de propriedade intelectual. Embora a intenção por trás dessas criações lúdicas fosse provavelmente inofensiva, a reprodução do logotipo da Disney levantou questões legais.

Andrew White, sócio do escritório de advocacia de propriedade intelectual Mathys & Squire, opinou sobre o assunto: “A reprodução do logotipo da Disney é uma clara violação de marca registrada. Imagino que seja por isso que a IA pode estar confundindo o logotipo.” White destacou que ainda existe uma “questão não resolvida” sobre se os modelos de IA foram treinados no conteúdo da Disney e se estavam reproduzindo inadvertidamente material protegido por direitos autorais.

Em resposta a Microsoft tomou medidas. Inicialmente, o termo “Disney” foi impedido de ser inserido no gerador de imagens e os usuários receberam uma mensagem informando que a solicitação violava as políticas da ferramenta. No entanto, a ferramenta de IA foi ajustada para permitir o termo “Disney” mais uma vez. No entanto, as imagens geradas ainda apresentam semelhanças com os pôsteres originais da Disney, embora com diferenças sutis, como erros ortográficos ou fontes borradas.

A Disney, conhecida por proteger ferozmente a sua propriedade intelectual, caminha sobre uma linha tênue entre abraçar a criatividade dos fãs e salvaguardar a sua marca. Do ponto de vista das relações públicas, a empresa deve navegar entre a promoção do seu perfil e a abordagem de potenciais práticas anticoncorrenciais.

O compromisso da Microsoft em abordar questões de direitos autorais vai além deste caso específico. Em setembro, a gigante da tecnologia assumiu responsabilidade legal pelos clientes comerciais que utilizam os seus produtos de IA em Word, PowerPoint e ferramentas de codificação. Proteções semelhantes foram oferecidas por outras empresas de tecnologia que utilizam IA generativa, incluindo Adobe e OpenAI.

À medida que os limites do conteúdo gerado por IA continuam a expandir-se, tanto as empresas como os criadores devem lidar com o delicado equilíbrio entre inovação e conformidade legal. Por enquanto, os pôsteres da Disney gerados por IA servem como um lembrete peculiar da interseção entre tecnologia, criatividade e direitos autorais.

Add a comment

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *